Um Passeio de Caiaque no Parque Nacional Dry Tortugas

    Por Terry Tomalin

    Eu estava no cais da balsa em Key West e observei o capitão amarrar meu caiaque alugado no teto do “fast cat”. É um passeio de barco de duas horas até meu destino final, o Parque Nacional Dry Tortugas, cerca de 113 quilômetros a oeste.

    Meu plano era colocar minha barraca, saco de dormir e fogão de acampamento nas escotilhas cobertas do caiaque, levar um cooler cheio de comida e água e depois passar a noite no pequeno acampamento em Garden Key.

    O Serviço de Parques Nacionais permite que um número limitado de visitantes acampe em uma pequena clareira fora das paredes maciças de Fort Jefferson, uma base militar do século 19 que já serviu como uma prisão. Os campistas devem ser totalmente autossuficientes. O Serviço de Parques oferece churrasqueira a carvão e terra seca, mas os campistas devem trazer sua própria comida, água e qualquer outra coisa que possam precisar durante sua estadia de um a três dias por US$ 3 por noite.

    Saímos do Porto de Key West, em direção ao oeste. Mesmo naquela tarde nublada de novembro, a balsa estava lotada de turistas de várias partes dos Estados Unidos.

    Ao contrário de outras áreas nas Florida Keys, os corais aqui estão em águas rasas, às vezes a apenas um metro de profundidade. Peixes tropicais de vários tipos, bem como barracudas, moreias e uma das maiores concentrações de tubarões-lixa da Flórida, podem ser encontrados dentro dos limites do parque. Mas, como em qualquer ambiente de oceano aberto, as correntes nas Tortugas podem ser bruscas e às vezes traiçoeiras.

    As ilhas baixas de Marquesas e Tortugas, com seus recifes de coral e bancos de areia, já foram responsáveis pelo naufrágio de mais de 200 navios ao longo dos anos. Você encontrará de tudo, de galeões espanhóis a cargueiros da Segunda Guerra Mundial afundados por submarinos alemães saqueadores em águas locais.

    Quando chegamos ao cais em Fort Jefferson duas horas depois, decidi ir para a Bird Key ou um cargueiro de tijolos naufragado, que está localizado a cerca de um quilômetro do forte, a cerca de dois metros de profundidade.

    As autoridades não têm certeza de quando o navio, uma embarcação a vapor de 36 metros de comprimento carregando tijolos, chegou ao Bird Key Bank, mas o melhor palpite é que foi em algum momento imediatamente anterior à Guerra Civil. Em um dia claro, você ainda pode ver a grande hélice do navio, de quase dois metros e quatro pás, logo abaixo da superfície.

    Enquanto remava em direção aos destroços de tijolos, vi Loggerhead Key a cerca de cinco quilômetros a oeste. É uma das maiores ilhas da cadeia Tortugas e um destino popular para pesquisadores da vida selvagem que valorizam seu habitat intocado. Passar o dia lá é permitido, mas como em todos os outros lugares do parque, você não pode levar nada e deve deixar para trás apenas suas pegadas.

    Logo depois da ponta sudoeste de Loggerhead está outro navio naufragado, conhecido como Windjammer. Seria difícil encontrar um navio naufragado melhor para snorkeling do que este “galgo do mar”, que afundou durante uma tempestade de inverno em 1907. Mas enquanto remava em direção à ilha distante, decidi que seria melhor não ser pego em mar aberto em um barco tão pequeno, caso as águas não estivessem tranquilas.

    Então voltei para a Long Key, que protege as aproximações do sudeste do Fort Jefferson. Um pelicano mergulhando em um cardume de peixes localizou um pequeno recife de coral, cheio de vida. Joguei a minha âncora em um ponto de areia, hasteei minha bandeira de mergulho e parti para explorar o mundo subaquático.

    Nadei entre os leques do mar e os corais cerebrais, então avistei uma lagosta espinhosa guardando seu covil sob a saliência da rocha. Que atrevimento, pensei, já que esses “bichos” geralmente fogem ao perceber a aproximação do homem. Foi quando me lembrei de onde estava. No Parque Nacional Dry Tortugas, tudo é protegido, até a lagosta.

    A água salgada entrando no snorkel me deixou com sede, então voltei para o meu caiaque a tempo de ver uma pequena tartaruga marinha verde aparecer acima do recife. Ponce de Leon havia dado o nome certo a este lugar. Las Tortugas era de fato a terra das tartarugas. Antes das máquinas a vapor, os marinheiros sempre davam boas-vindas à carne fresca. Mas a água doce era ainda mais valiosa, e eu deixei a minha na balsa. Eu voltei pela área de ancoragem para o cais.

    STRATEGIC ALLIANCE PARTNERS